Assembleia Municipal de Lisboa
Cais do Sodré
Comerciantes do Cais pedem a clientes que não bebam na rua
28-10-2014 noticiasaominuto.com

Os comerciantes do Cais do Sodré, em Lisboa, vão sensibilizar os clientes para não consumirem álcool na rua partir da 01:00, mas sim dentro daqueles espaços, medida que vão também sugerir à Câmara de Lisboa.

A decisão foi tomada hoje à noite numa reunião que juntou proprietários de vários estabelecimentos daquela zona e surge no seguimento queixas apresentadas pelos moradores, relacionadas com o consumo e venda de bebidas alcoólicas na via pública, ruído e sujidade.

Gonçalo Riscado, da Associação do Cais do Sodré, explicou que a medida não é nova e já tem vindo a ser debatida pelos comerciantes. "Hoje, o que se passou foi que conseguimos reunir vários comerciantes, como os mais antigos, que foram responsáveis por reanimar o Cais do Sodré há oito anos, os que contribuíram para tornar este espaço mais popular há três anos e os que chegaram mais recentemente", disse.

Segundo o responsável, "muitos dos espaços" já fazem esta sensibilização, enquanto outros "querem começar já". Na prática, o que os proprietários farão é "pedir às pessoas para consumirem dentro do estabelecimento a partir de uma determinada hora", assinalou o comerciante António Costa, proprietário de dois bares no Cais do Sodré.

A escolha deste horário deve-se ao facto de, entre as 23:00 (hora de abertura dos bares) e as 01:00, os estabelecimentos estarem "normalmente vazios" e de "o cliente não estar cansado de lá estar dentro", o que acontece passadas duas ou três horas, explicou António Costa.

Para garantir que os clientes não saem do estabelecimento com copos na mão, os comerciantes vão "estar mais atentos", salientou o proprietário. Na reunião de hoje, na qual estiveram representados cerca de 40 estabelecimentos nocturnos, ficou decidido que o controlo sobre as bebidas vendidas pelos bares será levado à Câmara de Lisboa. "Vamos propor que isto seja vinculativo", afirmou Gonçalo Riscado.

A sugestão será feita ao município através do período de consulta pública do despacho sobre os bairros históricos da cidade com actividade nocturna, criado na semana passada, de forma a ser incluída no mesmo. "Se a câmara disser que não tem capacidade de o fazer, todos os estabelecimentos estão dispostos a fazê-lo", salientou. O despachou inclui a intenção da autarquia de estipular novos horários para os bares do Cais do Sodré, Bica e Santos, que serão obrigados, de domingo a quinta-feira, a fechar às 02:00, e às sextas-feiras, sábados e véspera de feriados às 03:00, enquanto actualmente podem estar abertos até às 04:00, em ambos os casos.

Porém, "apenas a redução de horários não resolve os problemas", que terão de ser travados com "o controlo do espaço público", defendeu Gonçalo Riscado. Para o representante, a autarquia deve ainda apertar na "fiscalização e no policiamento", assim como encurtar o horário de funcionamento das lojas de conveniência. Acresce "um outro problema que ainda não foi falado, o da venda ambulante", em que "muitas pessoas com mochilas circulam na rua" a vender bebidas a um preço mais reduzido, adiantou Gonçalo Riscado.