Assembleia Municipal de Lisboa
Madrid tem um sistema de bicicletas elétricas partilhadas desde junho de 2014
Madrid tem um sistema de bicicletas elétricas partilhadas desde junho de 2014
Lisboa entra em Órbita
05-09-2016 Bruno Jesus, Jornal de Negócios

A Órbita ganhou o concurso público para o sistema de bicicletas partilhadas na cidade de Lisboa, que avança com 1.410 bicicletas disponíveis, dois terços das quais eléctricas para ajudar a combater a inclinação da cidade.

A adjudicação foi feita na passada quarta-feira à firma de Águeda, que fez uma proposta de 23 milhões de euros. A rede de bicicletas partilhadas vai ter 1.410 bicicletas e 140 estações (docas). Dois terços das bicicletas vão ser eléctricas, para ajudar a combater a inclinação da cidade. O concurso, lançado em Março pela segunda vez, tinha um valor máximo de 28,9 milhões de euros.

"A partir da semana que vem, vamos começar a preparar tudo para colocar os equipamentos no terreno", disse Jorge Santiago ao Negócios. "A nossa proposta é de 23 milhões de euros por oito anos. Implica todo o investimento, as 140 docas, as bicicletas e a renovação das bicicletas, porque este tipo de utilização implica um desgaste muito grande, pelo que elas terão de ser substituídas durante o contrato", detalhou.

Cada bicicleta terá, portanto, um custo de 16.312 euros.

O Negócios tentou obter uma reacção da EMEL, que é responsável pelo processo, mas não foi possível obter um comentário. João Dias, administrador da empresa, disse ao Negócios em Fevereiro que se prevê que o sistema esteja totalmente operacional da Primavera de 2017.

O plano de negócios do Sistema Público de Bicicletas Partilhadas de Lisboa, elaborado pela EMEL, prevê que o bilhete diário para pedalar nas ruas de Lisboa custe 10 euros e o passe anual fique por 36 euros. Os utilizadores deverão poder gerir o sistema através de uma aplicação móvel, antevê Jorge Santiago.