Assembleia Municipal de Lisboa
Moradores receiam impactos na saúde com a futura subestação eléctrica
22-10-2014 noticiasaominuto.com

Moradores da freguesia da Penha de França, em Lisboa, manifestaram-se terça-feira preocupados com os impactos na saúde devido à futura subestação eléctrica no Alto de São João, mas técnicos das empresas responsáveis pela infraestrutura garantem "elevados níveis de segurança".

Durante a apresentação pública do estudo ambiental e projecto da subestação do Alto de São João, que decorreu ao final do dia, na freguesia da Penha de França, em Lisboa, os técnicos da REN (Redes Energéticas Nacionais) e da EDP, as duas empresas responsáveis pela implementação da infraestrutura, esclareceram as dúvidas da população, reforçando não haver riscos para a saúde.

Vários foram os moradores que se queixaram das implicações da construção da subestação para a saúde, assim como a desvalorização do território e do preço das habitações. "Parece um paradoxo, porque se esta zona precisa de ser reabilitada, esta subestação vai afastar as pessoas", disse Marta, residente na Penha de França. Segundo o técnico da REN, o projecto da subestação do Alto de São João "não é nenhum tipo de experiencialismo" e é uma "tecnologia madurada, utilizada há mais de 20 anos nos principais centros urbanos do mundo". Em Lisboa, já existem duas subestações, em Sete Rios e Carriche, mas "passam despercebidas, pois estão inseridas no enquadramento paisagístico e urbano, o mesmo irá acontecer no Alto de São João.

Em relação às implicações para a saúde da população, o responsável da REN explicou que "a Direcção Geral da Saúde fez vários estudos sobre o impacto dos campos electromagnéticos e não chegou a nenhuma conclusão que façam mal à saúde". "Não há riscos nenhuns para a saúde, nem para os trabalhadores, que são os que estão mais próximos das instalações de campos electromagnéticos", disse. De acordo com o técnico da EDP, trata-se de "uma tecnologia testada e validada, que irá reforçar a qualidade de serviço em relação à energia eléctrica".

A EDP tem por todo o país 414 subestações e a REN tem 80, mas a futura subestação do Alto de São João será uma infraestrutura conjunta das duas empresas. A participar na apresentação do estudo ambiental e projecto da subestação, o vereador do urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, reforçou que "o objectivo não é fazer-se infraestruturas contra as populações, antes pelo contrário".

Para o vereador, existem "crenças e receios das populações, mas quando se comprovam que não são verdade deixam de ser um problema, assim aconteceu há uns anos com campanhas contra as antenas de telemóveis". O estudo ambiental sobre a futura subestação eléctrica no Alto de São João, Lisboa, admite impactos negativos para os moradores da zona, como a necessidade de reinstalação de infraestruturas e uma menor qualidade ambiental, mas indica que não são significativos. A subestação em estudo na freguesia da Penha de França visa a alimentação da rede de 60 quilovolts (kV), a partir da rede de 22
noticiasaominuto.com