Assembleia Municipal de Lisboa
Câmaras não chegam para descansar o Bairro Alto
27-11-2014 Carla Sofia Luz, Jornal de Notícias
sistema funciona das 18 às 7 horas, todos os dias da semana

A SECRETARIA de Estado da Administração Interna renovou a autorização para o funcionamento das câmaras de videovigilância no Bairro Alto, em Lisboa, por um período de dois anos. Em funcionamento desde o passado dia 22 de maio, o sistema, gerido pelo Comando da PSP, funciona das 18 às 7 horas, em todos os dias da semana. Os comerciantes do Bairro Alto consideram que as câmaras de vigilância já foram úteis em situações de violência, mas criticam a falta de acção policial quanto ao tráfico de droga.

"Em recentes desacatos, em que houve feridos graves, foi possível chegar aos agressores através das câmaras de vigilância", referiu à Lusa o presidente da Associação de Comerciantes do Bairro Alto. Hilário Castro assinalou, contudo, que o problema da droga se mantém.

Droga vendida a turistas
"Diariamente, os mesmos indivíduos permanecem nas ruas e as autoridades não actuam", criticou, acrescentando que "quem está a visionar as imagens podia alertar as autoridades no local". O também proprietário de um restaurante sublinhou que a droga é muitas vezes vendida a turistas, o que "passa uma imagem degradante da própria cidade".

De acordo com Luís Paisana, da Associação de Moradores do Bairro Alto, os residentes "exigem mais polícias nas ruas, sobretudos aos fins de semana, que é quando há multidões no bairro" e também roubos e rixas. "Têm acontecido situações pontuais de violência", pelo que "as pessoas andam um bocadinho assustadas", referiu. Segundo dados enviados à agência Lusa pelo Comando da PSP de Lisboa, entre maio e Setembro houve uma diminuição do número de ocorrências registadas: 66 para 50. Em Junho, verificaram-se 71 ocorrências, em Julho 70, enquanto em Agosto se registaram 69. A polícia escusou-se, contudo, a indicar as situações em causa.

O vereador da Segurança, Carlos Castro, disse apenas que a PSP tem transmitido à Câmara de Lisboa que este sistema de vigilância constitui "um importante e positivo instrumento de trabalho na área da segurança".
Carla Sofia Luz//Jornal de Notícias