Assembleia Municipal de Lisboa
Voto 012/05 (MPT) - Protesto - Encerramento da Livraria Aillaud e Lellos
27-02-2018

Agendado: 27 de Fevereiro de 2018
Debatido e votado: 27 de Fevereiro de 2018
Resultado da Votação: Aprovado por Maioria com a seguinte votação: Favor: PSD/ PCP/ CDS-PP/ BE/ PAN/ PEV/ MPT/ PPM/ 6 IND - Contra: PS
Ausência de 2 Deputado(a)s Municipais Independentes da Sala de Plenário
Passou a Deliberação:78/AML/2018
Publicação em BM:4º Sup. ao B.M. nº 1259

VOTO DE PROTESTO

Preservação das Lojas Históricas

ENCERRAMENTO DA LIVRARIA AILLAUD E LELLOS

A histórica livraria Aillaud e Lellos da rua do Carmo, no Chiado, fechou definitivamente as suas as portas.
Conhecida pelo seu interior e exterior Art Dèco, obra da autoria do Eng.º António José Ávila do Amaral (colaborador de Cassiano Branco), é célebre a fachada em mármore e as colunas com motivos e nomes de autores portugueses esculpidos (de Eça de Queiroz a Thomaz Ribeiro), bem como, no interior, uma outra coluna que serve de estante e candeeiro.
A livraria Aillaud & Lellos é a memória tangível de alguns dos mais importantes momentos da edição em língua portuguesa. É mais uma casa quase centenária, que abriu em 1931 pela mão de duas famílias livreiras - os Lello e os Aillaud, a fechar de vez as portas por conta da cessação do contrato.
Apesar de ter sido incluída na recém - formada rede do programa " Lojas com História ", promovida pela Câmara Municipal de Lisboa não foi salvaguardada a sua continuidade. O seu encerramento, depois do fim da Livraria Portugal e da Livraria Barateira, representa também mais um rude golpe na alma do Bairro que foi o centro do Romantismo Português.
Sabemos que, o Programa "Lojas com História", aprovado pela Deliberação n.º 99/CM/2015, publicada no 4.ºSuplemento ao Boletim Municipal n.º 1097, de 27 de fevereiro de 2015, pretende apoiar e promover o comércio tradicional local, como marca identitária da cidade de Lisboa, bem como salvaguardar as lojas ainda existentes com características únicas e diferenciadoras da atividade económica e cuja história se confunde com a da própria cidade.

*O MPT - Partido da Terra lamenta que o selo " lojas com história " seja insuficiente para assegurar a sobrevivência das lojas do passado em Lisboa.
Assim, a Assembleia Municipal de Lisboa, reunida a 27 de Fevereiro de 2018 , delibera:*

1. Lamentar o encerramento de mais uma loja histórica, símbolo do património histórico e cultural do comércio lisboeta;

2. Lamentar o fecho de mais de 120 das 300 lojas que compunham inicialmente o programa "Lojas com história";

3. Protestar pela desproteção dos inquilinos, detentores de património inscrito no Programa " Lojas com História", face ao Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) e ao Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados (RJOPA).

Lisboa, 27 de Fevereiro de 2018

O Deputado Municipal do Partido da Terra

- José Inácio Faria-

Documentos
Documento em formato application/pdf Voto 012/05 (MPT) 78 Kb