Assembleia Municipal de Lisboa
Grupos Municipais
logotipo
Página do Grupo Municipal do Partido Popular (CDS/PP)
A política editorial desta página é da inteira responsabilidade do Grupo Municipal do Partido Popular (CDS/PP)
*
Voto de pesar por Maria de Sousa
23-04-2020

Discutida e votada em 28 de Abril de 2020
Aprovado por unanimidade

Maria Ângela Brito de Sousa nasceu em Lisboa, em 1939. Depois de se licenciar em Medicina em 1963, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na Freguesia de Alvalade (à data na freguesia do Campo Grande), iniciou a sua carreira em investigação científica. Entre 1964 e 1966, esteve nos Laboratórios de Biologia Experimental em Mill Hill, em Londres, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. E foi na capital britânica que fez a sua primeira grande descoberta, publicada na revista Nature.

Em 1967, trabalhou na Universidade de Glasgow (Escócia), onde se doutorou em imunologia em 1972, tendo aí permanecido até 1975. Daí seguiu para os Estados Unidos - colaborando no Instituto Sloan Kettering, na investigação do cancro, na Faculdade de Medicina de Cornell e na Faculdade de Medicina de Harvard.

Em 1984, regressou a Portugal, como professora o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar até à sua jubilação em 2009 e como investigadora o Instituto de Biologia Molecular e Celular, actual Instituto de Investigação e Inovação em Saúde.

Autora de várias descobertas científicas, nomeadamente as que tratam da circulação de linfócitos e a relação destes com o ferro granjearam-lhe reconhecimento internacional e são apontadas como factos, a maior distinção que um cientista pode obter.

Maria de Sousa foi muito além do que era suposto para uma mulher da sua época. Enquanto mulher e cientista, foi inconformista e travou batalhas contra o imobilismo e a falta de abertura à sociedade da academia, e da articulação entre os centros de investigação, hospitais e academia. Deve-se também a ela a avaliação científica externa e independente dos centros de investigação portugueses que coordenou o processo a convite de Mariano Gago. Foi somente um dos muitos contributos a que a comunidade científica fica devedora a esta dupla.

É de assinalar que Maria de Sousa foi fundadora do GABBA (Programa Graduado em Áreas da Biologia Básica e Aplicada), em 1996, que concebeu o primeiro programa doutoral de uma universidade portuguesa em biologia básica e aplicada e que permitiu o doutoramento de centenas de investigadores.

Detentora de inúmeros prémios, destacam-se o Grande Prémio Bial de Medicina em 1995, o Prémio Estímulo à Excelência em 2004 e a Medalha de Ouro de Mérito Científico em 2009, atribuídos pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, assim como o Prémio Universidade de Coimbra 2011 e o Prémio Universidade de Lisboa 2017.

A República Portuguesa distinguiu-a com o grau de grande-oficial da Ordem Infante D. Henrique (1995, Mário Soares); com o grau de grande-oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (2012, Aníbal Cavaco Silva); com a grã-cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, insígnia destinada a distinguir o mérito literário, científico e artístico (2016, Marcelo Rebelo de Sousa).

A par de ser uma cientista as artes nunca lhe foram alheias, revelando um profundo interesse e conhecimento pela música e pela literatura. Em 2014 publicou o livro Meu dito meu escrito (Gradiva) e escrevia poesia em inglês.

Ainda em vida doou o seu vasto e importante acervo científico, constituído por mais de 60.000 documentos à CM de Cascais que conjuntamente com outros espólios constituirão um centro de investigação dedicado às relações entre Ciência, Cultura e Arte.

A ironia do destino levou que a imunologista tombasse, vítima da Covid-19, em plena pandemia, a 14 de Abril de 2020.

Pelo saber, talento, inovação e coragem Maria de Sousa ganhou o respeito e o reconhecimento dos seus pares na ciência e merece ser (re)conhecida pelos portugueses por tudo o que deu ao seu país e ao mundo, pelo que o Grupo Municipal do CDS-PP propõe à Assembleia Municipal de Lisboa que, na sua reunião de 28 de Abril de 2020:

Preste homenagem a Maria de Sousa, guarda um minuto de silêncio em sua memória e enderece à família e amigos, as mais sentidas condolências.

Lisboa, 23 de Abril de 2020

O Grupo Municipal do CDS-PP
Diogo Moura