Assembleia Municipal de Lisboa
Grupos Municipais
logotipo
Página do Grupo Municipal do Partido Popular (CDS/PP)
A política editorial desta página é da inteira responsabilidade do Grupo Municipal do Partido Popular (CDS/PP)
*
Voto de pesar por Maria João Abreu
15-05-2021

Debatido e votado em 18 de Maio de 2021
Aprovado por unanimidade.

Maria João Abreu faleceu no dia 13 de Maio de 2021, partindo precocemente, aos 57 anos, quando estava no auge de uma grande carreira artística.

A Maria João, tal como o ex-marido José Raposo, eram uma actriz sem preconceitos e podia hoje fazer um filme como amanhã podia estar no Parque Mayer a fazer revista. Este tipo de actores, sem preconceitos e com uma grande disponibilidade são as pessoas com quem nós, criadores e directores, mais gostamos de trabalhar. Vicente Alves do Ó, realizador.

A sua carreira como atriz de revista e como produtora, ao lado de José Raposo, bem como outras participações teatrais (com Filipe La Féria, João Lourenço e José Fonseca e Costa), mas sobretudo o seu intenso currículo em televisão (novelas, séries, programas de entretenimento e de comédia) tornaram-na uma figura que representava para muitos portugueses a familiaridade de quem está connosco porque se parece connosco. Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Muitas e sinceras palavras foram vertidas nas redes sociais e comunicação social, por gente da política às artes, atestando o profissionalismo e o carácter de Maria João Abreu que que se estreou como actriz em 1983 no musical _Annie_, dirigida por Armando Cortez no Teatro Maria Matos. A partir de então, e durante 38 anos, participa ininterruptamente em cerca de uma centena de peças teatrais, filmes e telenovelas.

Actriz plurifacetada tornou-se um fenómeno da televisão, mas nunca se deixou deslumbrar nem abandonou a sua grande paixão, o teatro de revista, o teatro popular.

A sua bondade e generosidade, a par da forma genuína como conquistava o público, tocou todos.

Também a sua ligação a Lisboa era enorme, tendo feito praticamente a sua carreira teatral nos palcos da nossa cidade e onde criou uma enorme ligação às suas festas e cultura popular, sendo madrinha da Marcha do Bairro Alto.

Maria João Abreu esteve casada 23 anos com José Raposo, de quem teve dois filhos, Miguel Raposo e Ricardo Raposo. Em Setembro de 2012 voltou a casar-se, com o músico João Soares.

Assim a Assembleia Municipal de Lisboa, reunida a 18 de Maio de 2021, delibera:

• Prestar homenagem à actriz Maria João Abreu, guardar um minuto de silêncio em sua memória e endereçar aos filhos, restante família e seus admiradores, as mais sentidas condolências;

• Propor a atribuição do seu nome na toponímia da Cidade ou num equipamento e espaço que honre a sua memória e legado.
Lisboa, 14 de Maio de 2021

O Grupo Municipal do CDS-PP
Diogo Moura